Simplesmente Poeira

Tenho o prazer de começar por escrever sobre um produtor/enólogo e vinhos deste, sem nunca ter estado na sua presença nem sequer conhecer a quinta e a adega. Em boa verdade foi da informação disponibilizada, dos relatos de pessoas que privaram com o Jorge Moreira que comecei a perceber os seus vinhos.

Se provarmos muitos vinhos do douro com frequência, chegamos facilmente à conclusão que muitas vezes falta frescura e acidez. Ora, foi isso mesmo que o projecto de Jorge Moreira trouxe ao Douro.

Foi nesta linha de pensamento que fui provando os seus vinhos, lendo sobre eles, visitando o site, e descobrindo que, quem muda de imagem do rótulo todos os anos, quer com certeza dizer ao consumidor que todos os anos tem novidades novas para contar em relação ao vinho que fez. Dito e feito!

Poeira 2008photo (49)

À partida poderíamos pensar que este não era o melhor ano para se começar a falar de uma casa. Durante a floração no Douro esteve frio e chuvoso, o Verão esteve fresco e por isso em Setembro as uvas ainda estavam verdes. Como se não bastasse as previsões de chuva para aquela época puseram o Douro num reboliço.photo (50)

Pude provar este vinho no mesmo dia, às cegas, a comparar com outros, a solo e a  acompanhar comidas diferentes ao almoço e ao jantar. Porquê tantas vezes? Porque não  cansa, porque mostra camadas diferentes a cada prova, ou porque:

Já seria habitual nestes vinhos, mas este 2008 é o pináculo da tensão e da acidez desde o início ao final da prova.  Ainda com notas de fruta preta, já aparecem aromas de verniz e cacaus explodindo na boca com a elegância, cheio  de estrutura e harmonia. Sim, ainda tem muitos anos pela frente, mas já está num patamar onde muito poucos  chegam.

Tudo isto prova que ter um conceito e ser fiel a ele, não significa ser monótono, e por isso mudam-se os rótulos todos os anos, como se o produtor assinalasse ao consumidor que todos os anos preparou uma algo de novo para o consumidor. Tal como bons amigos, produtor e consumidor partilham gostos comuns e conquistam-se todos os anos pelas diferenças.

Conhecer o Poeira ano após ano está a ser como ler um livro de um autor estrangeiro que não conhecemos, que capitulo a capítulo, nos emociona e estamos sempre a tentar adivinhar finais possíveis sem nunca acertar… até ao próximo capítulo!

4 Comentários

  1. Jorge Manuel Outubro 21, 2014 at 12:36 pm #

    É bom ser tão compreendido! obrigado

    • Valter Neves
      Valter Neves Outubro 21, 2014 at 1:52 pm #

      Jorge! Ainda bem que gostaste… continuaremos a dar novidades!

  2. Fernando Novembro 4, 2014 at 11:11 pm #

    Melhor vinho do Douro, melhor enólogo português. Infelizmente a este nível temos poucos!!!

    • Valter Neves
      Valter Neves Novembro 6, 2014 at 4:20 pm #

      Obrigado pelo comentário Fernando! Continua a acompanhar-nos!
      Forte abraço.

Deixar uma resposta